Por que o Gol GTI é reconhecido como uma lenda entre os nacionais?

O Gol GTI entrou para a história da indústria brasileira de automóveis. Primeiro porque ele foi o primeiro automóvel do país a ser equipado com o sistema de injeção eletrônica.

Foi um marco, até porque o carismático modelo da Volkswagen abriu mão do carburador para poder representar o ponto mais alto dos esportivos nacionais da década de 80, a qual foi marcada pelo fim dos esportivos V8.


A história do icônico se inicia em 1984, quando a montadora apresentou a versão GT, esportiva com um motor inédito de 1,8 litro  refrigerado a água e uma potência declarada de 99cv. A aceleração de 0 a 100km/h  em 11,7 segundos, com velocidade máxima de 166,87 km/h.


Três anos depois, a versão GT teve a sucessora GTS, a qual manteve o Gol no patamar do automóvel mais rápido do país: era o único que conseguia chegar a 100 km/h em menos de 11 segundos., mérito do comando de válvulas 049G.


Apesar da potência declarada ainda em 99cv, quase ninguém acreditava nessa marca: a potência estimada para o modelo ficava entre 105 e 110cv.  O ápice na carreira da primeira geração do Gol, ficou reservado todo para a versão GTI, que ganhou a injeção eletrônica da Bosch LE-Jetronic.


O ápice na carreira da primeira geração do Gol ficou reservado para o Gol GTi, que ganhou a injeção eletrônica Bosch LE-Jetronic. 


Todo o sistema de gerenciamento contava com dois processadores que controlavam a alimentação e também o sistema de ignição, o que ia de acordo com as condições atmosféricas, comando e acelerador. 


O GTI é um marco na história dos carros no país, porque pela primeira vez um veículo dispensava o afogador: partidas a frio eram imediatas e não havia hesitações e tampouco engasgos presentes nos antigos carburadores. 


O motor de 2 litros entregava 18,35 kgfm a 3.200 rpm e dos 120 cv a 5.600 rpm de maneira linear e com notável economia de combustível: 8,5 km/l na cidade e 13,3 km/l na estrada.


Na época, o GTI, ofuscou o brilho do Kadett GS, apresentado em 1989. O Chevrolet só ganhou injeção eletrônica em 1992: tornou-se o automóvel mais veloz do país, mas o icônico GTI manteve o posto de nacional mais rápido. 


Ficha Técnica – VW Gol GTI 1989

Motor: longitudinal, 4 cilindros em linha, 1.984 cm3, comando de válvulas no cabeçote, alimentação por injeção eletrônica

Potência: 120 cv a 5.600 rpm

Torque: 18,35 kgfm a 3.200 rpm

Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira

Pneus: 185/60 HR 14

Dimensões: comprimento, 384,9 cm; largura, 160,1 cm; altura, 135,5 cm; entre-eixos, 235,8 cm; peso: 950 kg 



Data da publicação: 17/03/2022
Por que o Gol GTI é reconhecido como uma lenda entre os nacionais?